terça-feira, 21 de junho de 2011

"O Silêncio dos Inocentes"








* Por vezes…

Entre o meu insuportável silêncio lunar

E os alucinantes sons do meu pensar…

Julgo ouvir;

Alguém muito longe… por mim a chamar!

Julgo ouvir… passos acorrentados

De uma prisioneira;

Vítima de um prepotente destino

O qual… sem pejo algum lhe sonegou

A sua legítima… liberdade de amar!

E que por essa… tão dolorosa razão

Ela;

Tarda tanto tempo… até mim chegar!


Julgo ouvir;

A voz… da sua amordaçada consciência

Com vontade de o seu silêncio… quebrar

Com vontade… de a sua pura inocência

A si própria… com toda a determinação provar!


Julgo ouvir;

Através das invisíveis grades da sua prisão…

Aquela sua… tão doce voz… repleta de emoção

Apelando …

Incessantemente a este meu saudoso coração

Dizendo:


(Diz que me amas! Diz que me desejas!

Pois eu preciso imenso isso… de ti escutar!

E por favor… onde quer que tu estejas

Não deixes este silêncio entre nós… continuar!)

Apelos… que me levam à inevitável comoção

E aí;

Imediatamente do purpúreo céu do meu olhar

Desprendem-se autênticas lágrimas de fogo;

Como as da lava incandescente… de um vulcão

Espalhando-se pela planície glacial do meu peito

Transformando-o todo ele…

Num escaldante mar de puro amor e louca paixão!


Por vezes…

Entre o meu cego querer

E o meu dúbio acreditar

É-me tão difícil… uma fronteira delinear

Pois desconheço completamente

Quando será que finalmente… o tirano destino

Desta minha… apaixonada “Musa”

A irá incondicionalmente libertar!

Para que eu… em júbilo lhe possa dizer:


(Amo-te tanto… oh minha louca perdição!

Amo-te… como a lua…

Ama as suas tão maravilhosas estrelas reluzentes

Amo-te… como a natureza…

Ama o sol… e os seus longos beijos tão ardentes.

Prometo ser a terra fértil do jardim da tua beleza

Prometo-te…

Que a chave… deste meu tão apaixonado coração

Será… eternamente tua!)

E aí;

Já em plena e merecida liberdade Ela…

Descobrirá então… Que o meu amor por si…

Não é apenas um belo e radiante sol de verão

Mas também… e só para ela

Será sempre uma inesgotável fonte…

De puro amor e… louca paixão!


Por vezes…

O “silêncio dos inocentes”

É-me tão difícil de compreender

Como também o é… de aceitar.

Mas mais difícil do que isso… é sem dúvida

Eu… a ele (o silêncio) ter todavia que me render

Sem uma palavra os meus lábios pronunciar

Ou até mesmo… e bem pior do que isso;

Sem um simples murmúrio de alguém “inocente”

Eu acabar sempre… por nunca o conseguir escutar!


“Quem ingenuamente a força do destino desafiar... poderá a sua felicidade para sempre hipotecar. E consequentemente assim, deixar de a vida ou… alguém conseguir livremente amar.”


(Mais um texto de um autor, viciado no puro amor, paixão e… muita ficção! Escrito na terra dos mil ventos e postado em terras de D. Quixote)



Escrito em Bording (Dinamarca) 16-6-11

Music by Alexandra Burke in - Silence

Imagem by net - Google

*@ apollo_onze



5 comentários:

Anônimo disse...

Caramba! Para uma rapariga solteira como eu, ler este tipo de texto é realmente de partir o coração! Mas que "inveja" eu tenho dessa tua apaixonada "Musa"! Hehehe Bem... não é que eu, tenha lá muita razão de queixa diga-se de passagem. Pois tu, como pessoa amiga tens sido algo impar para mim desde que te conheço.

Falando agora mais a sério, eu rendo-me defenitavemente a tua maravilhosa poesia és o poeta mais belo que eu até hoje já conheci! Adorei a musica também, assim como a foto que tu escolhes-te para adornar ainda mais este teu magnífico texto.

"Amo-te tanto… oh minha louca perdição!
Amo-te… como a lua…
Ama as suas tão maravilhosas estrelas reluzentes
Amo-te… como a natureza…
Ama o sol… e os seus longos beijos tão ardentes"

Mas que coisa mais linda e emocinante de ler! Parabéns meu querido amigo beijinhos emocionados!

Ana Liza

Ps- Para a semana que vem vou estar desde Terça-feira a Sabado em Copenhaga, se fores para aquelas bandas diz-me pois talvez dê para irmos beber umas bjecas dinamarquesas ao Tivoli. Fico então à espera de noticías tuas até lá!!! Bj.

Anônimo disse...

BELO DEMAIS, FAZES ME PRISIONEIRA DESSA TUA PAIXÃO.

BJS

Otelice disse...

A quebra do silêncio quem sabe seja a única arma para combater a tirania. Sendo assim, desejo que, num grito, a tua amada desbrave o tempo, o destino e o silêncio e possa, nos teus braços de poeta, aquietar-se, mergulhada em tão profunda paixão.
Bj no coração, amigo meu!

Vanessa ੴ disse...

Como comentar algo assim? Confesso que não sou capaz de descrever tamanha beleza... a beleza de um romance épico que sonho viver e que no entanto, desconheço. Enfim, é a sorte do mundo!

Encantei-me com teu comentário, sabia?
Comparaste meu pobre coração, ainda bruto, a uma jóia de inestimável valor... obrigada pela doçura de tuas palavras. São um alento!
Obrigada pela tua visita, que me é tão doce.
Te desejo uma semana abençoada!
beijo com aroma de lírio

Rosa D Saron disse...

O que dizer de um poema com essa intensidade?
Faltaram-me as palavras!
Parabéns e abraços carinhosos de saudades!

Postar um comentário